Mote em Decassílabo, de Pedro Ernesto filho

Mote em Decassílabo, de Pedro Ernesto filho

SE EU NASCESSE DE NOVO PEDIRIA PRA VIVER NO PAÍS DA CONSCIÊNCIA Pedro Ernesto Filho Onde a flor exarasse mais perfume, onde a planta o ar puro respirasse, a disputa infiel não prosperasse, perdoar fosse o dom do bom costume, o amor não murchasse com ciúme, arrogância perdesse a existência onde o pássaro exibisse a inocência sem das armas temer…
50 anos do poeta Arievaldo Viana

50 anos do poeta Arievaldo Viana

De 17 a 20 de agosto de 2017, o poeta ARIEVALDO VIANA será homenageado, juntamente com os poetas José Costa Leite (90 anos) e Gonçalo Ferreira da Silva (80 anos) na II Feira do Cordel Brasileiro, na CAIXA CULTURAL Fortaleza. Nessa ocasião, estará lançando as seguintes obras: 1 – Santaninha, um poeta popular na Capital do Império – parceria com…
Cordel de Ismael Gaião

Cordel de Ismael Gaião

OS DITADOS POPULARES EM LITERATURA DE CORDEL Os Ditados Populares, Criados na antiguidade, Fazem parte da cultura Popular da humanidade, Fazendo a língua do povo Ficar para a eternidade. Eles são filosofias Passadas na forma oral, Que servem pra melhorar O convívio social E podem favorecer A vida espiritual. Não faz chegar o verão Uma andorinha sozinha. Cada um só…
SETE ESTROFES SOBRE O SETE – Marcos Mairton

SETE ESTROFES SOBRE O SETE – Marcos Mairton

A redondilha maior Tem SETE linhas rimadas, Cada qual com SETE sílabas, Em estrofes agrupadas. O SETE está na poesia, Como a luz está no dia, E o frio nas madrugadas.   Nas lendas, o SETE surge Em insólitas versões: Dragões de SETE cabeças, Reinos com SETE dragões, Ou, numa história mais leve, Ao fugir, Branca de Neve Encontrou os…
O Jumento que Jesus Montou – Marcos Mairton

O Jumento que Jesus Montou – Marcos Mairton

Quem alguma vez na vida Leu o novo testamento, Sabe que em Jerusalém, No passado, houve um jumento Que a Jesus transportou, Quando na cidade entrou Com muito contentamento. Naquele dia, Jesus, Aos discípulos disse assim: “Há ali um jumentinho A comer o seu capim. Sigam até o local Onde está o animal E tragam ele até mim”. “Se alguém…
A TAPIOCA EM GLOSAS DE MAURÍCIO SANTOS

A TAPIOCA EM GLOSAS DE MAURÍCIO SANTOS

Mote: Vamos comer tapioca Que é saudável e dá sustança Com o intuito de sustar O consumo de tapioca Há um ti-ti-ti de fofoca Espalhando duvida no ar Precisamos desmascarar Essa terrível lambança Do contrario ela avança E grave dano provoca Vamos comer tapioca Que é saudável e dá sustança Do litoral ao Sertão Consome-se essa iguaria Depois da academia…
Conciliação: Cordel de Marconi Araújo

Conciliação: Cordel de Marconi Araújo

QUEM QUER CONCILIAÇÃO, SUSPIRA PAZ SOCIAL! Poeta Marconi Araújo (I) Vou versar sobre um processo Que é autocompositivo Vibrante, substantivo E de inerente sucesso Humanizado, te peço Confesso, é sensacional Magnífico, ideal Fonte de harmonização Quem quer conciliação Suspira paz social! (II) Se há conflito, há solução Esta sim, monumental A relação pessoal Em franca restauração Judiciário em ação No…
Horário de Verão – Zé Peixoto

Horário de Verão – Zé Peixoto

Eu não gosto nem um pouco desse horário de verão, é a maior confusão deixa todo mundo louco é hora véia hora nova. O horário se renova, porém prá que eu num sei. Segundo o povo educado esse horário foi criado no governo de Sarney. Tem muita gente que gosta, porém tem outras que não e fica essa confusão de…
Aniversário sem festa – Cordel de Marcos Mairton

Aniversário sem festa – Cordel de Marcos Mairton

Neste ano em que completo 50 de idade, resolvi registrar a data contando, em cordel, passagem verdadeira da minha vida e da minha família, relacionada a festas de aniversário. Claro que melhorando um ponto ou outro da história, pois não existe Cordel sem fantasia, nem fantasia que não caiba em um Cordel. Na foto, este cordelista, acompanhado dos personagens da história:…
Botando Gás no Novembro Azul

Botando Gás no Novembro Azul

Foi através da Internet que vários poetas fizeram versos sobre o tema do "Novembro Azul". Tomei conhecimento do movimento pela coluna "Eu acho é pouco!", da poeta Dalinha Catunda, no Jornal da Besta Fubana. Uma estrofe de Ismael Gaião, outra de Dalinha. E logo outros poetas começaram a se ajuntar. Também mandei os meus. Depois, Dalinha organizou tudo. E o…